22 de jun de 2006

Freedows Consortium

*Proposta arquitetônica elaborada para uma concorrência de projetos.

Localização Urbana

O edifício das antigas instalações do Café Diamante está situado no Bairro do Quarenta, no centro geográfico de Campina Grande. Apesar de ser um bairro residencial, observa-se a formação de uma zona de comércio e serviços ao longo da Avenida Almirante Barroso devido ao tráfego intenso de veículos e transeuntes na mesma.
A maior parte das residências localizadas na quadra onde está inserida a edificação é de famílias com baixo poder aquisitivo , representadas na faixa escura do mapa do local de intervenção, enquanto que a área demarcada na cor rosa predomina residências de famílias mais abastadas.


Caracterização da edificação

O edifício encontra-se em estado de abandono, o que aponta a necessidade de obras de recuperação e infra-estrutura, principalmente em suas instalações e em todos os planos de coberta.
A edificação construída no início da década de 50 do século passado, recebeu ao longo dos anos uma série de interferências como a instalação de uma edícula para abrigar o gerador da fábrica, uma garagem na porção lateral sul e um muro elevado que une as edificações frontais através de um portão metálico.


Embora a maior parte de suas dependências fossem usadas para fins produtivos e comerciais, existe uma edificação originalmente utilizada pelo proprietário para fins residenciais que não guarda as mesmas características compositivas do conjunto arquitetônico, marcadas pela platibanda em linha reta e cobertura em tesouras de madeira.
A variedade de ladrilhos hidráulicos é uma das identidades fortes do local, assim como os longos galpões onde se desenvolviam a produção de café, sal, colorantes alimentares e derivados de milho.



Conceituação

• O edifício do Café Diamante encarna parte da memória da industrialização de Campina Grande e a perspicácia de um empreendedor na conquista dos seus objetivos;

• A Freedows representa o novo horizonte que se descortina para a cidade: idéias inovadoras, alta tecnologia, uma conexão com o mundo, o futuro;

• Os espaços merecem especial atenção quanto aos aspectos físicos, intelectuais, espirituais, afetivos e profissionais dos usuários;

• A proposta deve representar uma transição entre o passado e o futuro, respeitando e enaltecendo a memória, mas sem ser subjugada por esta;

• A intervenção deve ter forte personalidade e um desenho ágil, dinâmico, flexível e essencialmente “livre” como a imagem do pássaro que representa a Freedows Consortium.


Setorização das funções

Para atender a demanda por espaços determinada pela empresa, o edifício localiza suas funções em áreas que mantenham integradas as necessidades e características de cada atividade.
Utilizamos o pátio central da antiga fábrica como área de integração entre os ambientes, criando-se um espaço multifuncional que abriga o Memorial do Café Diamante, além de exposições e eventos.
O galpão principal que antigamente abrigava as linhas de produção de derivados de milho e café foi determinado a receber a Recepção, Diretoria e Administração pela suas dimensões e por ser o volume mais expressivo, dentre o conjunto arquitetônico. Junto a ele está o setor de sanitários que atende tanto aos funcionários, quanto ao público presente no pátio em caso de eventos.


O setor de produção foi localizado na área posterior da edificação, conectado diretamente com o setor administrativo, e evitando a exposição destas atividades com os ruídos e distúrbios trazidos pelo movimento da Av. Almirante Barroso.
Por fim, a área que compreende os serviços de suporte à produção e funcionamento da empresa foi situada junto ao acesso de veículos e de serviços do edifício com forma de tornar agilizar a carga e descarga de materiais, otimizando os espaços para a localização do estacionamento interno da empresa. Nos fundos do terreno foi disponibilizada uma área que pudesse servir de estacionamento e também abrigasse um apoio para churrasqueira e atividades de recreação.

Metáfora

Numa alusão à imagem da logomarca da Freedows concebemos o design do elemento arquitetônico que representa o conceito de liberdade, flexibilidade e inovação tecnológica incorporado pela empresa.


Partido arquitetônico

O partido adotado recupera os elementos marcantes da proposta original da edificação e adota uma nova estrutura que unifica o conjunto arquitetônico, incorporando uma linguagem contemporânea e tecnológica de forma sutil e marcante.


Proposta

O edifício foi redesenhado de forma a permitir a acessibilidade a todas as suas dependências, permitindo a inclusão de pessoas com mobilidade reduzida ao quadro de funcionários. Neste sentido foram providas circulações adequadas e rampas interligando todos os níveis da edificação.
Quanto a humanização e conforto nos ambientes de trabalho lançamos aberturas que permitem contemplar o exterior, sem contudo distrair a atenção dos colaboradores do foco do seu trabalho, criando um ambiente aconchegante e produtivo.
Os materiais utilizados na obra, em geral, são produzidos na região ou no estado, valorizando o produto e a economia local, reduzindo os custos e gerando divisas e desenvolvimento social.
Todos os elementos esdrúxulos ao conjunto original ou que eram incompatíveis com a harmonia da edificação foram removidos para qualificar a composição arquitetônica e melhorar o aproveitamento dos espaços. Deste modo foram removidas as edículas dos fundos que não faziam parte da edificação original da fábrica, a fachada onde funcionava a antiga residência do proprietário, o muro frontal e a garagem lateral. Esta destoava arquitetonicamente do conjunto e não representava um ganho de área para o correto funcionamento da empresa.

As edificações remanescentes foram objeto de adequações para abrigar os setores da empresa. Desta maneira, a Recepção, administração e diretoria foram alocadas no galpão principal onde são desenvolvidas atividades de gerenciamento e reuniões da Freedows. Este espaço encontra-se organizado por divisórias e permite a flexibilização do seu layout quando necessário.
Próximo ao galpão principal, o edifício dispõe de uma bateria de sanitários para o público em geral, contemplando também sanitários dimensionados para Portadores de Necessidades Especiais (cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida).
O bloco de Produção compreende as salas de Tradução, Treinamento, Servidor, Call Center e Auditório dimensionados e preparados para receber todo o equipamento solicitado.


O pátio do Memorial, voltado para exposição e contemplação é agraciado com uma grande área ajardinada, articulando o bloco administrativo e de produção com bloco de serviço que por sua vez, abrange as salas de Depósito, Manutenção, Almoxarifado, Vestiários, Área de Serviço, Copa e Refeitório, os quais também dispõem de uma circulação interna independente do pátio. Esta divisão tem o propósito de dar suporte a todas as atividades da empresa e prover os funcionários de alternativas para os horários de almoço e descanso.
O bloco de Serviço tem uma ligação direta com o estacionamento para facilitar a carga e descarga de materiais e permitir que o estacionamento seja usado pelo público no caso de uma confraternização ao ar livre junto à Copa. O volume que define esta área, voltado para o pátio central, recebeu um expressivo painel decorativo revestido em ladrilhos hidráulicos, numa referência ao marcantes elementos encontrados no piso.

O estacionamento localizado nos fundos do terreno oferece dez vagas para automóveis e tem seu piso firmado com cobograma, o que permite que o piso absorva a água das chuvas, assim como o crescimento de grama em seus espaços vazios. Esta especificação torna o ambiente mais agradável, evitando a irradiação da energia solar para dentro do edifício e possibilitando o uso do estacionamento em eventos de confraternização.
Os únicos ambientes que foram projetados para receber lajes planas foram as salas de Tradução, Call Center, Servidor e Treinamento que serão construídas como acréscimo na área da edificação. Os outros ambientes terão as tesouras de madeira aparentes e receberão forros em lambri.

Ficha técnica
Arquitetura: Oliveira Jr, Manoel Farias e Mário Lyra
Imagens 3D Max: Michel Alexandre
Imagens Sketchup: Sérgio Ricardo
Local: Campina Grande
Proposta: 2006

2 comentários:

  1. Carolina C. Miranda23 junho, 2006 08:03

    Oi! Até hoje não descobri como você tem meu e-mail (sou arquiteta, formada a um ano e meio pela UFRN), de qualquer maneira, aproveito a oportunidade para agradecer às coisas que envias (sempre interessantes!) e parabenizar por este projeto "Freedons", realmente belo! Gostei muuuito de como você considerou o existente respeitando-o e integrando-o. Parabéns memsmo.
    Carolina Cavalacnte Miranda
    (Arquiteta da Santiago Engenharia)

    ResponderExcluir
  2. Fernando Galvão23 junho, 2006 18:54

    Parabéns pelo projeto e pela iniciativa de publicar na internet não só o resultado final, mas os estudos que guiaram as decisões projetuais.

    ResponderExcluir