10 de out de 2010

Casa MP















Esta casa localiza-se em um condomínio residencial, numa área de expansão urbana e ainda pouco habitada, onde ainda predominam vazios urbanos, extensas áreas verdes e o parque ambiental do Cabo Branco.
A proximidade com o litoral e a afinidade dos clientes com uma tipologia construtiva “rústica”, com predomínio de madeira e telhado cerâmico evocou um partido arquitetônico impregnado de referências vernaculares.
O uso do telhado “borboleta” permite uma abertura do ângulo de visão para o exterior desde o interior da casa até a varanda. Este artifício seria arriscado e poderia expor as fachadas as intempéries e ao excesso de insolação, não fosse amparado por um proeminente balanço do beiral.

As esquadrias em vidro e venezianas móveis permitem o controle da iluminação natural e do fluxo da ventilação que perpassa os ambientes internos até sua exaustão por meio da abertura na parte superior da coberta acima do mezanino, na sala.

Na fachada poente um jogo de rasgos e pequenas aberturas faz uma alusão à obra de Corbusier.

 
This project is located in a residential condominium, at a sprawling urban area with still the prevalence of empty urban lots, extensive green areas and close to the Cabo Branco environmental Park.

The architectural style impregnated by vernacular references in this project is particular influenced by the proximity to the seashore and by the client’s taste for rustic type of construction with predominance of the use of wood and terra-cota mission (Spanish) roof tiles.
The use of the” Butterfly” shape of roof allows an extended sight view from the interior of the house to the exterior up to the veranda. That could leave the facade exposed to the weather conditions and excessive sun light if it did not have the long eaves projection.

The glass and adjustable Venetian windows allow natural lighting control and ventilation that pass thru the interior of the rooms and is exhausted thru an opening under the roof above the mezzanine in the living room.

On the west façade there are only narrow openings randomly positioned to allude Le Corbusier projects.



Ficha técnica

Arquitetura: Studio 7S34W
Autor: Oliveira Júnior
Colaboradores: Marcelo Medeiros e Rodrigo Rathge
Cliente: Mário Pereira
Construção: Mestre Joca
Esquadrias: Ivan
Coberta: Zaqueu
Revestimentos: e Elizabeth Portobello
Interiores: Geórgia Raquel
E-mail: 7s34w@7s34w.com

8 de jun de 2009

Concurso: Planetário em Rio Branco - Acre




















.

.
O processo de investigação conceitual para elaboração da proposta arquitetônica do planetário de Rio Branco no Acre foi pautado em quatro diretrizes fundamentais:
1) a investigação de elementos da arquitetura vernacular que estruturassem um elemento icônico culturalmente assimilável;
2) a incorporação de uma tecnologia construtiva sustentável, limpa, de fácil aquisição e possível de ser manuseada pela mão de obra local;
3) uma implantação que dialogasse com o entorno urbano e se apropriasse da paisagem natural exuberante.
4) a utilização de recursos passivos e bioclimáticos como ferramentas de controle térmico e acústico.
.
RELEITURA DA ARQUITETURA VERNACULAR

No nosso entendimento encontrar as referências originais para o projeto do planetário é direcionar o olhar para o cerne da cultura tecnológica e construtiva vernacular.
A Região Amazônica remonta aos primeiros habitantes do nosso país e as primitivas manifestações de abrigos para o desenvolvimento das atividades humanas.



Referências



Referências



Referências



Referências



Referências





Conceituação compositiva
.

.
Observando a lógica construtiva empregada em algumas destas edificações rudimentares encontramos os elementos chave que nortearam o partido arquitetônico adotado pela nossa proposta e demonstrado na sequência gráfica acima.A estrutura em arcos disposta transversalmente e travejada longitudinalmente por esbeltas peças de madeira criam uma trama envolvente e acolhedora que, sem a cobertura de palha, filtram a luz, conferem visibilidade e uma íntima relação entre o interior do edifício e o meio ambiente externo.A partir de uma observação sensível partimos para uma reinterpretação contemporânea dos valores simbólicos e técnicos implícitos neste modo de construir e definir o abrigo.









Perspectiva
.
.

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL
A opção pela estrutura metálica permite uma maior racionalização do processo construtivo, pois os elementos estruturais são produzidos fora da obra e apenas montados no local. Isso possibilita um canteiro seco e limpo, a minimização do desperdício de materiais, sem esquecer o reaproveitamento e reciclagem das peças após a vida útil da obra. Trata-se de uma tecnologia acessível e familiar.



Imagem do local - espelho d' água



Imagem do local: Satélite
.
..
DIÁLOGO COM O ENTORNO URBANOO edifício foi implantado longitudinalmente no centro do espelho d’água existente de forma que o setor administrativo se voltasse para a face sudoeste, mais silenciosa, onde predomina uma vegetação densa de grande expressão paisagística.
A área social e o acesso ao planetário foram definidos através da face nordeste, estabelecendo-se um contato visual mais direto com a cidade através da BR 364. No amplo trapiche de acesso foi reservada uma área para observação com telescópios. As funções do edifício foram ampliadas com a criação de um espaço multiuso na laje de coberta propício a exposições e manifestações artísticas e culturais ao ar livre.



Implatação



Térreo



Praça de eventos
.
..
CONFORTO TÉRMICO
Os beirais proeminentes protegem o corpo do edifício enquanto que casca envoltória em brises filtra a insolação sobre a laje de cobertura. As aberturas nas fachadas nordeste, noroeste e sudoeste possibilitam a ventilação cruzada nos ambientes e a redução da dependência da ventilação mecânica.








Sequência estrutural 01


Sequência estrutural 02




Sequência estrutural 03




Sequência estrutural 04




Sequência estrutural 05




Sequência estrutural 06




Estudo volumétrico



Estudo volumétrico
.
.

Ficha técnica
.
Arquitetura: Oliveira Júnior e Davi de Lima
Estagiários: Lívia Loureiro e Alberto Oliveira
Maquete e renders: Rodrigo Rathge
Consultoria em projetos complementares: Thiago Mousinho
Consultoria em estrutura metálica: Arquitrave
Consultoria em orçamento: Thiago Mousinho e Arquitrave
Croquis: Oliveira Júnior
Local: Rio Branco - Acre
Ano: 2009

17 de mai de 2009

Condomínio residencial à beira mar




.
O empreendimento consiste em um condomínio horizontal num terreno à beira mar da Praia do Cabo Branco, em João Pessoa, Paraíba. Trata-se de um conjunto de residências de médio padrão para alugar. O terreno com 24m de largura por 100m de profundidade oferecia duas possibilidades de implantação: voltar o acesso das residências para as laterais, colando os fundos das edificações e gerando duas ruas de acesso, ou abrir uma rua central única e voltando os fundos das residências para as laterais.
.
A nossa opção foi pela segunda alternativa baseou-se no fato de que uma avenida central proporcionaria uma maior integração social entre os residentes e maximizaria a área destinada a construção. O aspecto menos favorável se deu pelo fato das residências se posicionarem frente a frente possibilitando um maior contato visual entre os espaços interiores das mesmas. Para garantir a privacidade e a individualidade do setor íntimo as varandas dos quartos, posicionados no andar superior, receberam empenas que impedem o contato visual direto entre os vizinhos de frente e conduz o olhar do morador na direção do mar e dos ventos predominantes.

O conjunto arquitetônico foi composto por duas tipologias distintas: uma sequência de residências geminadas com dois quartos distribuídas ao longo do terreno e voltadas para a rua central; e duas residências isoladas com três quartos, na frente do terreno, voltadas diretamente para o mar.
..
A racionalidade construtiva e a utilização de materiais mais resistentes e de fácil manutenção proporcionam a durabilidade e a praticidade necessárias à obra voltada para um cliente efêmero e de rotatividade previsível.
.

Ficha técnica
.
Arquitetura: Oliveira Júnior
Estagiários: Ana Luíza Azêvedo, Lívia Loureiro e Gustavo Gueiros
Maquete: Ana Luiza Azêvedo e Rodrigo Rathge
Renderização: Rodrigo Rathge
Local: Praia do Cabo Branco, João Pessoa - PB
Projeto: 2009